Dia do Diretor: equilíbrio entre firmeza e ternura 

12/11/2020

No dia em que celebramos o Dia do Diretor, 12 de novembro, conversamos com a nossa diretora, Irmã Marli Araújo da SIlva. Ela exerce essa vocação tão significativa aqui no Colégio das Neves, já foi diretora da escola por 11 anos seguidos até 2016 e retornou em 2020 para um novo período. A sua relação com a Pedagogia é antiga, aos 14 já era professora e trabalhava com crianças.

Com 17 anos, chegou à casa de formação em Emaús e lá ficou por 3 anos, depois do noviciado veio trabalhar aqui, no Neves, como professora de Ensino Religioso dos pequenos e também dava apoio na biblioteca infantil. Seu sonho era fazer Serviço Social e trabalhar com crianças carentes, mas foi direcionada pelas Irmãs que já conheciam sua aptidão para a educação á fazer Pedagogia. 

No início dos anos 1990, o curso de Pedagogia permitia que os alunos escolhessem entre três opções: orientação educacional, supervisão pedagógica ou administração escolar. Ir. Marli que tinha como segunda opção Psicologia, pensou em tentar Orientação Educacional, mas, inspirada pela necessidade de uma administradora escolar, escolheu a terceira opção. 

A escolha foi certa para a Irmã Marli que já trabalhava como diretora na Escola Cônego Monte, onde ficou por três anos. Após esse período, foi para Currais Novos/RN, passando três anos como vice-diretora e diretora pedagógica do Educandário Jesus Menino. Depois disso, foram nove anos como diretora do Educandário Nossa Senhora das Vitórias, em Assu. 

A partir de 2006, sua história na direção do Colégio das Neves dava os primeiros passos. “Sempre simpatizei muito com a escola desde que vim pra cá como noviça, gostava de admirar de longe porque tinha muito medo de trabalhar aqui como diretora, achava que não tinha energia suficiente para dar conta de um gigante desses como é o Neves”, conta. No entanto, o medo não a paralisou. Irmã Marli foi enviada para assumir a direção da escola, tendo sua primeira gestão durado 11 anos. 

“Eu tenho um propósito na minha vida que é fazer bem tudo que eu faço. Quando cheguei, juntamente com a equipe pedagógica e administrativa, com os pais e família, fizemos um diagnóstico de quais eram as reais necessidades da escola. Vimos que estava precisando elevar o nível, trabalhar mais a leitura, mostrar mais a cara para além dos muros, precisando abrir as portas para a Igreja… Fomos desenhando juntos um plano de ação e muitos projetos foram construídos a partir disso”, explica. 

De início, sua gestão deveria ter durado três anos, mas Ir. Marli foi renomeada por mais seis e por fim, passou dois anos a mais, encerrando sua primeira passagem por aqui no final de 2016. Mesmo amando muito a escola em 2017 foi para Caicó/RN, onde ficou até o fim de 2019. “Eu fui pra Caicó com a certeza de que tinha cumprido a minha missão aqui na escola. Foi uma surpresa quando no dia 30 de novembro do ano passado a Provincial me disse que precisava que eu voltasse para cá. Acredito que existe um propósito para mim aqui no Neves”, disse. 

 

A missão de ser Diretora

Irmã Marli se considera uma pessoa muito firme em suas decisões e que gosta de estudar as situações para saber o que pode tirar de melhor delas. No contexto da pandemia não foi diferente. Pouco tempo após a sua volta a pandemia iniciou e se estendeu, assim precisando que começassem as aulas remotas. Foi um desafio, mas que com o apoio da equipe Neves, dos pais e familiares, está sendo vencido com firmeza e ternura. 

“Eu percebi que a escola precisava de uma pessoa de pulso firme e ao mesmo tempo de ternura, e modéstia à parte, eu penso que acumulo essas duas características”, conta. 

Para Irmã Marli, ser diretora não é um privilégio, mas sim uma missão. “São tantas cabeças com as quais a gente precisa lidar todos os dias, desde os profissionais, as famílias, os estudantes, e é preciso estar sempre aberta a ouvir as pessoas para atender às suas necessidades sem, no entanto, fazer somente as nossas vontades, isso não é fácil, mas é possível, desde que se tenha o coração e a mente abertos.”

 

Futuro

Alguns dos planos para a escola nessa nova gestão são de reativar projetos que foram paralisados como a sala de leitura chamada “A Livraria”, criar um espaço Steam voltado para as ciências, engenharias, artes, tecnologias e matemática e fazer com que a escola cresça mais. “Na minha vida, o meu plano é amar e servir, onde quer que Deus me coloque ou inspire os meus superiores para que me coloquem, eu quero estar sempre amando e servindo”, conclui. 

+Notícias

Ver mais

Depoimentos

Ver mais